Diário de uma vida de dieta

sobrevivendo com 30 pontos diários…

Agora a parada ficou séria!

Semana passada fiquei meio louca vendo um monte de mulher saradona na rua. Pensei comigo: quando vai chegar a minha vez? Então eu reparei que TODAS tinham uma coqueteleira na mão. Era o tal do Whey.

Conversei com muitos instrutores – selecionei só os bombados, eles devem saber né  – alguns vendedores e uma nutricionista. Todos falaram sobre a importância do Whey para o ganho de massa magra. Fiquei louca pra comprar – e usar! Afinal, acho o máximo levar minha coqueteleira com pozinho, encher de água no final do treino, sacudir e tomar!

Me falaram do termogênico. Pesquisei muito, mas muito! Acabei escolhendo um que é permitido a venda no Brasil e que contém mais produtos “naturais” do que outra coisa. Ele acelera  o metabolismo, auxiliando na perda de peso. Estou tomando há dois dias e ainda não tenho base pra dizer nada. Aliás, vou fazer um post explicando cada um deles depois.

Já tomava CL – óleo de cártamo. Dizem que ele reduz a absorção de gordura e auxilia na queima do bacon abdominal. Vamos ver, né.

Sei que isso tudo me deu um ânimo danado! Assim que tiver alguma impressão/resultado eu falo pra vocês. Vem, gente!

Trocas sábias!

Falou em R.A., falou em substituição. Hoje vou mostrar pra vocês uma pequena lista de trocas que eu fiz no meu cardápio pra não deixar de comer quase nada e aproveitar o melhor dos alimentos. Olha só:

  • Arroz branco = Arroz Integral
  • Açúcar refinado = Açúcar Mascavo – adoçante é muito ruim de manter a longo prazo, pelo menos pra mim.
  • Biscoito tipo Cream Cracker água e sal = Biscoito tipo Cream Cracker  Integral – gosto da marca Aymoré
  • Granola simples = Granola Quaker – vou fazer um post sobre ela explicando melhor
  • Pão de forma = Pão de Forma integral com grãos
  • Manteiga = Margarina light – essa eu deixo pra culinária ou quando bate aquela vontade de pãozinho torrado com manteiga
  • Queijo amarelo = Queijo branco
  • Torrada = Alimento tipo torrada Marilan
  • Macarrão = Macarrão integral
  • Leite Integral = Leite Desnatado
  • Iogurte = Iogurte desnatado ou Iogurte com fibras e cereais
  • Leite condensado como cobertura de frutas = mel
  • Molho branco = molho de tomate
  • Refrigerante = H2OH! – mas só no final de semana, normalmente prefiro suco ou água sem gás
  • Requeijão = Creme de Ricota Light

Durante a semana eu faço tudo corretamente e no final de semana me permito comer (ou destrocar) algum alimento. Não deixo de fazer a dieta, mas relaxo um pouco mais e como uma fatia de bolo, por exemplo. Brinco que “me permito UMA delícia no sábado e OUTRA no domingo.” Se eu me lembrar de mais alguma coisa eu falo aqui!

Smothie de morango

Hoje vim falar pra vocês de uma sobremesa que aprendi no blog da Camila. Mudei um pouquinho e tomo em um lanche intermediário vez em quando. É o smothie.

20120815-222533.jpg

A receita é muito simples: 1 potinho de iogurte desnatado, 4 morangos e 2 colheres de açúcar mascavo. Bate no liqüidificador e tá pronto!

É uma delícia, com pouca caloria e ainda segura a fome por mais tempo – além de ser super saudável!

Nem pontos nem pensamentos

Ah! Até que enfim voltei. Então. Vamos lá! Não estou nem no sistema de contagem de pontos e nem seguindo o livro Pesando Magro completamente. Deixa eu explicar porque:

O sistema de pontos é legal pra aprender tudo aquilo que falei com vocês e ainda ter uma noção das calorias dos alimentos e tal, mas se torna ‘injusto’ quando você não tem tempo e/ou condições de cozinhar sua própria comida. Sendo assim, você nem sempre pode optar por algo com menos pontos no almoço e depois acaba passando fome o resto do dia. Foi bom – muito bom- pra eu aprender aquilo tudo, mas quando a minha rotina voltou ao normal, não deu mais.

Foi também por isso que desisti do livro. De antemão posso dizer que é ótimo, tem truques e mecanismos que realmente ajudam, mas é inviável se você não tem condições de ficar por conta da sua dieta e dos seus hábitos acerca dela. É uma série de regras e planejamentos que funcionam a longo prazo, mas que são extremamente difíceis – e massantes – de cumprir quando você trabalha, estuda ou simplesmente não pode dedicar-se integralmente.

Tentei seguir a dieta dele. Realmente não sentia fome, mas olha… gastei uma grana e ficava toda desesperada tentando cumprir e planejar a comida do dia seguinte, preencher gráfico, completar questionário, ler cartão de vantagens, ler cartão de respostas, pesar os alimentos, somar calorias, escrever dicas, fazer relatórios… haja tempo!

Voltei pra famosa e amiga R.A. (reeducação alimentar). Vou explicar com mais calma pra vocês no próximo post o que ando comendo, as trocas que fiz e dicas de comidinhas. Tô de volta, galera! Obrigada a todos que de certa forma me deram força pra não desanimar! “Tamojunto!”

Que? Como assim?

Sumi um pouco, mas já estou de volta. Semana passada consegui comprar o livro Pense Magro tão bem falado na internet – aquele que inspirou a Cammys do Pensando Magro, lembram? Pesquisando, vi relato de pessoas que realmente perderam peso com a ajuda dele. Achei na Saraiva por R$65,00 (também achei caro) e só tinha ele.

Ele trabalha com a psicologia cognitiva/cognitivo comportamental. Então você aprende habilidades e maneiras de driblar pensamentos sabotadores e começa a agir como uma pessoa que não precisa pensar em comida o tempo todo. Então comecei a fazer as coisas que o livro ensina e mudei minha alimentação – de novo. Não uso mais o sistema de pontos e sigo uma dieta proposta pelo livro. Isso me fez bem porque agora eu não sinto mais fome entre as refeições – no livro tem tudo explicado, mas uma das coisas que garante essa proeza é ter proteínas, carboidratos e gorduras em todas as refeições. Ainda tenho 150 calorias de bônus por dia pra eu comer o que quiser. Bom, né?!

Foto: meu jantar de ontem: abobrinha manteiga e cenoura cozidas no vapor, milho verde cozido e salsicha de frango light.

Agora eu janto – isso tem me dado uma ajuda e tanto na faculdade. O livro é muito diferente, não vou conseguir explicar pra vocês. Tudo isso que eu comi foi previamente pesado (sim, precisei comprar uma balança digital) e por isso tem as mesmas calorias descritas no livro. Ou seja, tudo o que eu comi foi permitido, indicado e com as calorias  que eu preciso.

Não sei dizer ainda se estou gostando. O livro tem várias exigências que demandam tempo – toda noite planejo minhas refeiçoes do dia seguinte. O que percebi é que realmente fico saciada e tenho comido mais quantidade de comida, mas são mais saudáveis e sei exatamente quantas calorias ingeri. Com o tempo vou falando pra vocês, mas acho que nele tem dicas essenciais pra quem quer emagrecer e se manter mais magro por toda a vida.

Hoje é segunda, dia de se pesar e tirar fotos. Me pesei. Quando olhei na balança… Que? Como assim? Fiquei parada olhando pra balança, sem respirar pra não mexer, não alterar os números e ter certeza do que eu estava lendo.

Foto: eu, tentando entender  que p*#%@ foi aquela…

61,200kg. É isso mesmo, produção? Quer dizer que eu malhei a semana inteira, fiz 5 aulas de spinning, me privei de comer altas maravilhas, não saí dos trilhos e perdi 200 gramas? É inacreditável, deve ter algo errado, TEM que ter, não é possível! Não acredito que já esteja ganhando massa magra, eu acho que não. Mas não vejo outra explicação! Troquei de dieta sábado, nem posso por a culpa no livro…

O que será que houve? Confesso que dei uma desanimada bruta depois disso. Esperava estar com pelo menos 60 kg – já que eu intensifiquei meus exercícios. Até pesei em outra balança pra tirar a dúvida, mas o peso se confirmou. É meu povo. Força e continuar, né. Tomara que essa nova dieta faça a maior diferença semana que vem…

Tem pontinhos pra todo mundo!

Hoje eu estava no grupo do #pensandomagro lá no Face e procurando por postagens antigas achei um site que funciona no mesmo estilo do app que eu falei – você que não tem smartphone não tem desculpa pra não emagrecer!

É o Dieta ao ponto. A pontuação tem valores diferentes, mas o esquema é o mesmo! Vem, gente! Vamos todos chegar no nosso peso ideal! Uhul! Amanhã tenho várias coisinhas pra contar aqui! ;]

Yupi! Esperança renovada!

Lembra dos apetrechos que eu falei pra vocês no post anterior? Então, achei um deles! Comprei um protetor de banco pra spinning aêÊêÊÊÊê! Ele é todo de gel – parece amoeba, muito louco! – e encapado por uma telinha. Dá pra retirar e lavar. Tudo de bom!

To animada, amanhã vou fazer o teste! Vende em lojas de bicicletas, mas aqui em Juiz de Fora comprei na Academia Soul na Avenida Rio Branco, ao lado do Metropolitan, perto do Bahamas 24h e custou R$35,00. Uhul!

Não deu…

Hoje acordei cedinho, malhei e fui pra aula de Spinning. Detestei desde o início, foi uó. Ontem eu não consegui fazer de tanta dor nas pernas e muito incômodo por causa do banco da bicicleta – ninguém merece. Então só malhei. Hoje no spinning achei tudo pesado, difícil e irritante. Resultado: não coloquei a carga toda, fiz em pé 90% da aula e saí 10 min antes de acabar.

Foto: Eu, no cantinho da vergonha …

Gente, não deu. Eu tentei! Estava pensando em largar a aula desde os 10 primeiros minutos, mas sempre que esse pensamento me ocorria eu insistia, ficava de pé e me esforçava. Acho que se eu tivesse querido muito, talvez tivesse conseguido – embora a aula hoje fosse só de força, usando só carga pesada.

Mas eu tive três fatores que estavam me deixando extremamente irritada e desmotivada: o primeiro foi meu rosto. Estou na luta do ácido como vocês já sabem. Ontem passei base e tirei pra fazer resenha então minha pele estava gritando hoje. Juro, sem exagero: cada gota de suor que escorria parecia pimenta – fora que o rosto já estava fervendo por causa da atividade. Doeu muito. Depois foi o banco da bicicleta – obrigada meninas lindas da academia que me mostraram vários apetrechos pra não sentir dor (desde uma calça acolchoada até um forro de silicone pro maldito). Mas aí já era, fiz a aula quase toda de pé – com carga mais leve, é claro. E por fim, minhas pernas. Se elas já estavam doloridas, imagina agora? Pois bem.

Assim que eu pisei fora da sala, quase me escondendo da professora como se ela fosse me puxar pelo cabelo me arrependi, mas achei que seria mais humilhante ainda voltar. Mas foi o meu limite hoje e me senti bem de certa forma porque tinha malhado e feito quase a aula toda. É gente… acontece, né. Tomara que amanhã seja melhor! =/

Resistindo bravamente

Hoje minhas aulas recomeçaram. Vai ser um desafio e tanto – ver todo mundo comendo delícias em horários alternados enquanto eu espero a hora certa pra comer “isopor”. Venci o primeiro desafio hoje e me sinto muito bem por isso.

Eu e minha amiga Glau (beijo!) saímos mais cedo da aula e fomos n’A Tal da Esfiha, um lugar aqui da minha cidade que vende deliciosas comidas árabes. Eu já tinha comido uma barrinha e ainda estava com fome, mas só tinha mais um ponto. Confesso que abri o cardápio procurando algo integral (e tinha!), correndo pra ver a pontuação. Pensei em me sabotar, passar um ou dois pontinhos e matar a vontade. A esfirra com menos pontos tinha 9 (eu disse NOVE pontos). Pensei melhor. Não posso.

Passei pra aba de sucos e comecei a pesquisar um por um, até que encontrei o de abacaxi com hortelã sem açúcar que valia exata e deliciosamente 1 ponto. Pedi com o maior orgulho de mim!

Não vou negar que foi difícil, imensamente difícil. Ver uma esfirra lotada de Catupiry ao seu lado, em um lugar com aquele cheiro delicioso de comida e pedir um suco não é uma tarefa fácil. Mas eu precisava, eu consegui! Comecei a ler o livro Pense Magro que tem me ajudado muito nisso, vou falar dele pra vocês. Confesso que ainda estou com fome, mas não estou com a consciência pesada por ter comido algo que me daria instantes de alegria e horas de arrependimento – já aprendi.

Que orgulho! Muito orgulho!

Sobrevivi ao spinning!

Gente, to viva! Mais ou menos, minhas pernas estão mais que doloridas… Ontem musculção e hoje spinning. Resultado: dor muscular até onde eu não sabia que existia músculo! – brincadeirinha, tá gente?

Eu, sem nenhuma dignidade depois da aula.

Hoje acordei bem cedo com poucas dores nas pernas por causa dos exercícios de ontem. Fui na minha primeira aula de alongamento – uma delícia! Sou altamente inflexível, vocês não tem noção! Fui humilhada por uma senhora do meu lado que não só fazia todos os movimentos exatamente como a professora, como também tinha uma elasticidade de dar inveja…

Nessa aula foi que senti alguns músculos que sempre que eu malhava achava que não estava dando resultado. Dessa vez todos doeram e  estranhamente fiquei feliz. É muito engraçado, isso! Por mais que doa e seja sacrificante, é exatamente isso que te anima a continuar – vem nimim, endorfina!

O spinning é de longe a coisa mais carroça que já experimentei na vida. Odiei tanto que amei! Sério, achei que não fosse conseguir, que fosse sentar quando todo mundo estava de pé, que fosse cair da bicicleta, que fosse desmaiar. Fiquei até o fim e me senti muito bem por isso. Fechava os olhos e tentava não pensar no que estava fazendo, só pensava que iria conseguir e que viria aqui contar pra vocês. Deu certo!

Também ganhei um tênis novo (te amo, vovó linda!). Eu não ligo nem um pouco pra moda fitness, mas aproveitei que estava precisando mesmo e escolhi um bem bonitinho. Ele é super confortável, leve e meus pés ‘respiraram’ bem dentro dele – ele é todo furadinho. #inlove

Hoje também experimentei uma coisa muito gostosa que ajuda muito na hora de loucura de doces, depois conto pra vocês! Minha manhã foi super produtiva, mas sinto que o resto do dia será justamente onde estou, na minha cama com as perninhas pra cima. será que amanhã aguento spinning + musculação? o_O

Nota mental: nunca mais uso tênis novo em aula de alongamento…

Navegação de Posts

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.